BELOS ENSINAMENTOS PSICOGRAFADOS

BELOS ENSINAMENTOS PSICOGRAFADOS

BELOS ENSINAMENTOS PSICOGRAFADOS

Por meio da psicografia, espíritos de luz transmitem sua sabedoria, ajudando-nos a evoluir com suas incontáveis lições. A seguir, você confere alguns destes preciosos ensinamentos. Inspire-se e deixe o bem florescer

 

Texto • Redação



Com a cabeça baixa e as mãos em movimentos autônomos, o médium transcreve mensagens que reconfortam a alma e trazem luz sobre questões mundanas e espirituais. Esta habilidade que algumas pessoas têm para escrever mensagens de espíritos evoluídos chama-se psicografia. Na psicografia, o médium permite que almas superiores possam agir diretamente sobre sua mão ou seu braço e, assim, compartilhar em palavras toda a sabedoria que conquistaram ao longo de sua evolução no plano espiritual. A seguir, acompanhe exemplos destas mensagens de paz.

Cura espiritual

Comece orando.
A prece é luz na sombra em que a doença se instala.
Semeie alegria.
A esperança é medicamento no coração.
Fuja da impaciência.
Toda irritação é desastre magnético de conseqüências imprevisíveis.
Guarde confiança.
A dúvida deita raios de morte.
Não critique.
A censura é choque nos agentes da afinidade.
Conserve brandura.
A palavra agressiva prende o trabalho na estaca zero.
Não se escandalize.
O corpo de quem sofre é objeto sagrado.
Ajude espontaneamente para o bem.
Simpatia é cooperação.
Não cultive desafetos.
Aversão é calamidade vibratória.
Interprete o doente qual se fosse você mesmo.
Toda cura espiritual lança raízes sobre a força do amor.
 

Ditado pelo espírito ANDRÉ LUIZ

Amizade sincera

Um açougueiro de cavalos tendo percorrido o interior, comprando animais para corte, reparou que caminhava ao lado de seu bando, junto a um velho cavalo, um soberbo cão terra-nova. Isso não impressionou, de começo. Imaginava que o cão não tardaria a voltar para casa. Mas nem o tempo nem a distância nem as privações nem as forçadas marchas fizeram com que o cão deixasse o amigo.

Tendo sido escorraçado a golpes de chicote, passou a acompanhar de longe a caravana. À noite, o animal se agachava diante da porta das estrebarias. Nada comia. Quando se abriam os portões das cavalariças, ladrava o cão alegremente, acompanhado pelo relincho satisfeito do cavalo.

Novamente o comerciante enxotou o cão a chicotadas e novamente o fiel animal acompanhou a tropa. No terceiro dia, chegaram os marchantes, que deveriam abater os animais para os açougues.

Como se adivinhasse o que estava para acontecer, o cão uivava longamente, à porta da estrebaria, onde estava o amigo cavalo. O comerciante exclamou:

– Podem rir de mim, se quiserem, mas não suporto mais a choradeira desse animal. Vai, Antônio, conduz esse cão à estrebaria, coloca-o ao lado do animal ao qual ele se dirigir.

– Que pretende fazer, patrão?

– Nada. Apenas dar-lhe-ei alguma coisa para comer. Isso não me arruinará.

Aconteceu, no entanto, que o proprietário do cavalo, que o tinha vendido para o corte, ouviu falar do caso, sensibilizou-se com a amizade demonstrada pelo cão; resgatou o triste condenado, e conduziu para um lugar seguro os dois amigos, um tão singularmente salvo pelo outro.
 

 

Autoria desconhecida

 

Parentes mortos

Não olvideis que além da morte continua vivendo e lutando o espírito amado que partiu...

Tuas lágrimas são gotas de fel em sua taça de esperança.

Tuas aflições são espinhos a se lhe implantarem no coração.

Tua mágoa destrutiva é como neve de angústia a congelar-lhe os sonhos.

Tua tristeza é sombra a escurecer-lhe a nova senda.

Por mais que a separação te lacere a alma sensível, levanta-te e segue para a frente, honrando-lhe a confiança com a fiel execução das tarefas que o mundo te reservou.

Não vale a deserção do sofrimento, porque a fuga é sempre a dilatação do labirinto que nos arroja à invigilância, compelindo-nos a despender longo tempo na recuperação do rumo certo.
 

 

Ditado pelo espírito EMMANUEL

Pedidos

Não peças aos amigos espirituais para que te rasguem um veio de ouro. A fortuna imerecida pode sepultar-te o coração na cova da preguiça. Não peças aos benfeitores da Vida Maior para que sejas conduzido ao leme do poder. A autoridade inoportuna pode encurralar-te no fogo da violência. Não peças aos instrutores de outras esferas que te ofertem segredos da perfeição corpórea. A beleza efêmera pode situar-te no vício. Não peças aos mensageiros divinos o privilégio da posse. A posse mal conduzida atrai os abutres da usura. Não peças aos companheiros desencarnados os enfeites da fama. A fama, sem alicerces respeitáveis, atrai as víboras da calúnia. Não peças aos emissários do Senhor os regalos do conforto excessivo. A escravidão do conforto excessivo atrai os gafanhotos da inveja. Pede a todos eles para que te amparem o próprio aperfeiçoamento, porque, aprimorando a ti mesmo, perceberás que a existência na Terra é estágio na escola da evolução, em que o trabalho constante nos ensina a servir para merecer e a raciocinar para discernir.
 

 

Ditado pelo espírito EMMANUEL

A caridade

Há um apólogo em que o diabo compra a alma de um boêmio, cuja carteira enche diariamente de cédulas, para que ele as gaste, até a última.

No dia em que ficar uma cédula sem ser consumida está concluída a transação, e a alma tem de ser entregue ao comprador.

O boêmio gasta, cada dia, centenas de contos com o luxo, com o amor, com o jogo, com as bebidas, com as várias formas de dissipação.

Até que, uma noite, resolve capitular. Não tem em que empregue o dinheiro do Diabo. E vai entregar-lhe a alma.
 – Aqui me tens – diz – não encontrei mais em que despender dinheiro na Terra.

O diabo sorri, toma-lhe a alma, e depois diz:

– Há, no entanto, no mundo alguma coisa em que um homem pode consumir, diariamente, e até ao fim dos séculos, todo o dinheiro que tenha nas mãos. E olhando o homem nos olhos completa:

– Nunca ouviste falar na caridade?

Ditado pelo espírito IRMÃO X  

 

Fonte: Triada.com.br