HANDFASTING: O CASAMENTO NA WICCA

HANDFASTING: O CASAMENTO NA WICCA

HANDFASTING: O CASAMENTO NA WICCA

Na religião wicca, o casamento é uma celebração repleta de símbolos e significados mágicos. Saiba mais sobre essa tradicional festa pagã que representa a sagrada união espiritual entre homem e mulher

 

Texto • Sílvia Sibalde


 

Quando o relógio marca dezoito horas e a lua cheia promete brilhar no céu, um sacerdote e uma sacerdotisa se reúnem para purificar um ambiente especial, aonde será realizado, logo mais, um casamento wiccaniano. Na religião da Deusa, a cerimônia que representa a união espiritual dos amantes, conhecida como handfasting, começa antes mesmo da chegada dos noivos.

Marcando o solo com um círculo mágico para delimitar o espaço sagrado, o sacerdote joga sal e água para consagrar o ambiente. A limpeza espiritual é seguida pela invocação de elementais e guardiões, e é realizada sempre em sentido horário, a partir do leste. No altar, invocam-se também as presenças do Deus e da Deusa. Feito isso, os convidados podem se dirigir ao local da cerimônia. Oficialmente, a festa começou.

Ao som de música celta, os noivos entram de mãos dadas, vestidos de branco e usando grinaldas, por um caminho chamado de “corredor das flores”. Ali, são recebidos por nove mulheres iniciadas na religião, quatro de cada lado e uma à frente, que despejam pétalas de todas as cores sobre o casal e simbolizam a proteção que eles precisaram para iniciar uma vida a dois.

Ao final deste caminho, o casal se separa e segue para o altar – o noivo pela direita e a noiva pela esquerda, chegando a extremidades opostas. Ao lado de cada um deles, encontram-se seus pais, padrinhos e amigos. O Sacerdote proclama, então, as energias do Deus e da Deusa e conta uma história de amor Ao longo do ritual, os noivos vão se aproximando, passo a passo.

Posicionadas em cada um dos lados do altar, encontram-se duas mulheres já iniciadas na wicca. Uma segura uma taça com vinho e a outra, um punhal. No momento em que os dois estão à frente delas, a taça (representação da Deusa) e o punhal (representação do Deus) são entregues respectivamente à noiva e ao noivo.

União das mãos


 

Quando os dois finalmente se unem, o homem coloca o punhal dentro da taça, em uma representação à fecundação da mulher. Em seguida, o sacerdote retira o punhal de dentro da taça e o coloca em cima do altar e, na seqüência, oferece vinho ao casal. O ato de beber o vinho “fecundado”, primeiro pela noiva e depois pelo noivo, simboliza a concepção do filho primogênito.

Depois disso, a noiva conta a história de amor dos dois para o público ali presente e se declara para o noivo que, em seguida, faz o mesmo. Os dois se viram, então, com as mãos unidas e solicitam ao sacerdote a união de suas almas. Neste instante, em uma referência a um antigo costume pagão, as mãos dos noivos são amarradas pelo sacerdote por fitas de três cores diferentes – o azul representa a harmonia, o vermelho remete ao amor e o branco representa a paz.

Após a união das mãos, consagram-se os braceletes, que serão usados pelo casal durante todo o tempo em que permanecerem casados. Unidos pelas mãos, eles colocam os braceletes um no outro. Em seguida, se beijam e saem pelo mesmo corredor de flores da entrada.

Para atrair prosperidade, joga-se arroz nos noivos. Enquanto os convidados estão na festa, os noivos se trocam e podem, finalmente festejar. O laço que uniu suas mãos pode ser retirado e guardado com a noiva. Este ritual é renovado a cada ano, caso ainda seja desejo dos noivos ficarem juntos. Se isso não acontecer, a fita que uniu suas mãos durante a primeira cerimônia é cortada, simbolizando a separação definitiva do casal.
 

 

Na hora do sim

 

Confira algumas curiosidades sobre o handfasting.

• O sacerdote só aceita realizar a cerimônia se o casal passar por um teste de visualização, no qual é estimulado a se imaginar juntos daqui a dez anos ou, pelo menos, daqui a um ano. Se um deles não conseguir visualizar a cena, não há casamento.

• Não há necessidade de que os dois sejam iniciados na religião wicca.

• Na Antigüidade, o casamento era realizado no meio da floresta. Logo após a cerimônia, os noivos se retiravam para ter a sua primeira relação sexual e, só depois, festejavam junto com os convidados.

• O handfasting deve ser realizado durante as comemorações da Roda do Ano ou no primeiro dia da lua cheia de cada mês. O ritual deve começar sempre às 18hs e, geralmente, a festa dura 12 horas.

• O que não pode faltar em um casamento wiccaniano é pão, vinho e maçã.