Lenda o Pescador e a Caveira

Lenda o Pescador e a Caveira

//
o pescador e a caveira

Dizem por aí que não se deve dar confiança a histórias de pescador, mas preste atenção…

Nessa vila, lá em um dos recantos da África, viveu um pescador que adorava contar histórias, aliás, ele pescava mais palavras do que peixes. Passava horas indo de um em um contando seus “causos”.

Ele costumava começar as suas andanças bem cedo. Numa dessas manhãs, andando pela praia, ele viu uma coisa branquinha, dura, meio enterrada na areia. Quando ele parou para prestar atenção melhor, percebeu que era uma caveira.

Olhou para um lado, olhou para outro, não tinha ninguém, resolveu se virar para a caveira e perguntar:

-“Ô caveira, o que foi que te trouxe aqui, hein?”

-“A palavra”. Respondeu a caveira.

O pescador tomou um susto, mas resolveu perguntar de novo:

-“Ô caveira, o que foi que te trouxe aqui, hein?”

-“A palavra”. Respondeu a caveira de novo.

Já entusiasmado, animado com a descoberta, ele resolveu checar uma terceira vez:

-“Ô caveira, o que foi que te trouxe aqui, hein?”

-“A palavra”. Respondeu a caveira como das outras vezes.

Ele saiu com a história engasgada em sua garganta, louco para encontrar alguém no caminho e contá-la. Mas não encontrou ninguém. A solução foi ir até sua casa onde sua mulher estaria com certeza.

Entrou em casa todo esbaforido, soltando areia pela sala, viu a mulher e foi logo contando pra ela sobre a praia e a caveira que falava. Ela, que já estava acostumada com o marido, nem deu ouvidos para a história, pediu a ele para tocar a vida dele porque ela tinha mais o que fazer.

Ele saiu de casa, cruzou a vila e foi bater na porta logo de quem? Do rei.
Por algum acaso, naquele dia, o rei resolveu atendê-lo. Mais do que isso, escutou o pescador pacientemente e sua história sobre a praia e a caveira que falava. E de fato, naquele dia, o rei estava muito diferente. Acredita que ele até aceitou acompanhar o pescador até a praia e ver de perto a tal da caveira?

Os dois já estavam quase na porta de saída, quando o rei, muito seriamente, se virou para o pescador e disse:

-“Pescador, se essa história for mais uma de suas mentiras você vai perder a sua cabeça.”

O pescador tão tranqüilo estava que nem deu bola.

Naquele momento o rei convocou as pessoas que estavam à sua volta para acompanhá-los. E assim, seguiram.

Conforme iam passando pela vila, chamaram a atenção de todos, alguns curiosos não conseguiram se conter e os seguiram. Chegando na praia, o pescador, eufórico, levou todos até a caveira. As pessoas da vila, que não sabiam o que estava acontecendo, se espremiam entre si buscando um espacinho para enxergar o que é que ele mostrava na areia.

De repente, todos silenciaram, quando o pescador olhou para a caveira e perguntou, todo prosa.

-“Ô caveira, o que foi que te trouxe aqui, hein?”

O silêncio continuou, nenhuma palavra. O rei, imediatamente, franziu a testa e continuou observando.

Dessa vez, com mais cautela e já com a voz um pouco trêmula, perguntou novamente:

-“Ô caveira, o que foi que te trouxe aqui, hein?”

O silêncio continuou, nenhuma palavra. O pescador pensou que, de repente, a caveira estava tímida diante daquela multidão, então, resolve apresentar os dois, o rei e a caveira.

-“Vossa majestade, caveira. Caveira, vossa majestade!”

Os dois devidamente apresentados, ele pergunta uma terceira vez:

-“Ô caveira, o que foi que te trouxe aqui, hein?”

E pela terceira vez, silêncio, nenhuma palavra.

Naquele momento de tensão o pescador se virou para o rei, que num único movimento tirou a espada da bainha e, sem pestanejar, cortou a cabeça do pescador que saiu rolando em direção à praia.

Naquele dia o mar estava especialmente revolto e uma de suas ondas levou a cabeça do pescador de volta à praia, que foi rolando, rolando, até parar do ladinho da caveira.

A caveira, rangendo, virou-se para o pescador e, sem perder a oportunidade, perguntou:

-“Ô pescador, o que foi que te trouxe aqui, hein?”

Conto africano. Reconto de Ana Luiza Reis e Keu Ribeiro.