Lenda Urbanas - A Procissão das Almas Parte 2

Lenda Urbanas - A Procissão das Almas Parte 2

 Lendas Urbana: A Procissão das Almas

 

 

Olá Galera da Dark Rock Belém, depois de ficarmos sem Lendas Urbana um tempo, hoje estou voltando trazendo um novocronograma para a coluna que entrara uma sexta-feira sim outra não, e assim por diante, obrigado pela compreensão e vamos ao que interessa.
 

 
A procissão das Almas
Diziam os antigos:- Não se deve nunca procurar saber as coisas que não nos dizem respeito. A curiosidade tem seu preço!
 
Carmelina sabia disso. Mas, curiosa por excelência, querendo saber de tudo, principalmente da vida de seus vizinhos, não dava a mínima importância pra o sábio conselho. Ou melhor, dar importância, dava, porém, solteirona, sem ter muito o que fazer, dividia seu tempo entre Rex, seu cachorrinho pequinês, e o levantamento que fazia da vida dos moradores da cercanias.
 
No bairro de Santa Izabel, onde morava, todos a conheciam: quisessem saber da vida de quem quer fosse, bastava dirigir-se àCarmelina. Sempre tinha informações, sabia quem era solteiro ou casado, viúvo ou desquitado, quem namorava ou estava livre, enfim, era autêtico Diva- Departamento de informações da vida alheia. Quando chegava a um grupo, era sempre perguntando: O quê? Quando? Quem?, parecendo um repórter. Isso a fazia pessoa não agradavel nas rodas que frequentava, principalmente pela fama defofoqueira e solteirona.
 
...e os antigos diziam:- Não se preocupem com a vida alheia...
 
Entretanto, ou porque Rex não lhe absorvia totalmente o tempo, ou porque não tivesse algo mais útil que fazer, Carmelina estava sempre indagando daqui e de lá, procurando saber tudo, não com aquela interrogação necessária à existência da própria ciência, porém de maneira bisbilhoteira!
 
...e diziam os antigos:-Cada um pense em si e Deus em todos...
 
Naquela noite Rex estava inquieto. Era bem tarde, e Rex começou a latir, farejando o ar. Em casa de Carmelina, todos dormiam, comexceção da própria, que ficava na janela espiando um casal de namorados quase defronte à sua residência.
 
Mal deitara e eis os latidos de Rex a fazerem com que novamente se levantasse. Pegou o cachorro, levantou-o e o acariciou, como só as solteironas sabem fazer com os animais. O alvoroço do cachorro continuava. Nesse momento, ouviu um estranho ruído vindo da rua, como se fosse passos de muitas pessoas.
 
e os antigos diziam:-Não se meta onde não é chamada...
 
Carmelina não quis saber disso. Mais sua curiosidade havia sido provocada olhou para relógio 1minuto para a meia noite em um dia de sexta feira.
 
E abriu a janela. No relógio meia noite em ponto!!
 
O que viu, petrificou-a! Uma procissão, todos conduzindo velas eentoados hinos religiosos. Não havia sido programado nenhum festejo para aquele dia, e Carmelina não podia compreender a razão daquilo os sons eram enrouquecidos carvenosos, e não captava as palavras claramente.
 
Quis fechar a janela.
 
Mas uma força superior ao comando de seu cérebro paralisou-a. .
 
Mil vezes arrependida, Carmelina, sem poder se mexer, notou que um dos componentes da procissão saía do meio dos demais e caminhava em sua direção. Chegou até a janela
 
-Estou muito cansada. A senhora, por favor, quer segurar esta vela ? Depois voltarei para apanhar...
 
Mecanicamente , sem entender o gesto muito menos articular as palavras, Carmelina estendeu a mão, segurando o que lhe era oferecido. Mal segurou, a vela apagou-se! A pessoa que lhe dirigira a palavra retornou à procissão, acompanhando-a.
 
Pregada na janela, Carmelina viu o cortejo dobra na Conselheiro Furtado, rumo à Travessa José Bonifácio, assim como se fosse para o Cemitério de Santa Izabel...
 
Coma vela na mão, Carmelina ficou a madrugada toda lá sem conseguir sair. Exausta, já quase de manhã, conseguiu finalmente deita-se, colocando a vela em cima da cômoda. Teve um sono angustiante, onde se via cercado por seres espectrais...
 
-Quem brinca com fogo acaba se queimando, diziam os antigos...
 
Após desperta Carmelina foi verificar a vela em cima de sua cômoda. Recuou espantada.
 
- Não é possível....!!!
 
No lugar da vela, estava um osso humano, mais precisamente umfêmur!
 
Gritou desesperada, sendo acudida por seus familiares. Contou-lhe o ocorrido mais nínguem acreditava mas a única confirmação da história foi o fêmur.
 
Carmelina recorreu aos frades capuchinhos, aos quais narrou o acontecimento da noite passada. Os frade disseram-lhe que talvez quisessem trazer alguma mensagem. E aconselharam-na a passar o dia rezando pelas lamas sem paz e esperasse, sozinha, à noite, às mesma horas, para ver o que aconteceria. Disseram ainda que possivelmente iriam buscar o que haviam deixado.
 
À medida que o tempo passava, mais sua ansiedade aumentava.Carmelina sentia calafrios e ficou toda arrepiada ouviu os cânticos da noite anterior.
 
Apressadamente, vencendo o pavor que sentia, segurou o fêmur e esperou na janela. Quando a mulher se dirigiu a ela perguntando pela vela. Carmelina entregou-lhe o fêmur.
 
_ Espero que tenha aprendido a lição. Sua sorte foi ter consultado os frades e feito o que lhe disseram. Em caso contrário, não pode nem imaginar o que lhe reservava... Somos almas penitentes, à procura de paz. Pense um pouco em si mesma e nos seus defeitos e deixe de se incomodar com o que os outros.
 
Ao terminar, dirigiu-se novamente à procissão.
 
Muda, paralisada, Carmelina seguiu-a com o olhar, e assim a mulher sumiu aos poucos, como se estivesse evaporando...
 
...e diziam os antigos:_ Não se deve nunca procurar saber coisas que não nos dizem respeito. A curiosidade tem seu preço...!
 
Você vai contraria o que dizem os antigos???