Mago

Mago

Descrição altamente criteriosa de depois do século XII dosTrês Reis Magos, aqui por Vicente Gil.
Baltasar, o mais jovem, traz o olíbano e representa a África. À esquerda está Gaspar, de meia-idade, trazendo o ouro e representando a Ásia. Ajoelhado está Melquior, o mais velho, trazendo a mirra e representando a Europa.

Mago ou magi (plural do termo persa magus, significando tanto "imagem" quanto "[homem] sábio", do verbo cuja raiz é meh, "grande", em sânscrito maha) é um termo usado desde o século IV a.C. para denotar um seguidor de Zoroastro, ou ainda, um seguidor do que a Civilização helenista associava com o Zoroastro, o que, em suma, era a habilidade de ler as estrelas e manipular o destino que elas previam. O sentido anterior ao período helenista é incerto.

Mago atualmente denota aquele que pratica a magia ou o ocultismo. No entanto, pode indicar também alguém que possui conhecimentos e habilidades superiores como, por exemplo, quando se diz que um músico é um "mago dos teclados", pois toca com perfeição o instrumento musical.

Visão científica 

Os Magi originais eram a casta sacerdotal da Pérsia Sassânida, além de químicos, físicos e astrólogos. Seus trajes consistiam de um manto escuro decorado com astros, chapéu alto, triangular e pontudo, e suas demonstrações públicas envolviam o uso de substâncias químicas para geração de fumaça que causavam grande impressão entre o povo; observadores europeus trouxeram sua imagem para o folclore do ocidente.


Visão religiosa

No sentido religioso e histórico, denotava uma linha sacerdotal hereditária na Persia, da qual Zoroastro (ou Zaratrusta) foi um membro conhecido. Esta casta formava a sociedade dos Magos ou Magi, que dividiam os iniciados em três níveis de iluminação:

  • Khvateush – Os mais elevados, iluminados com a luz interior, iluminados.
  • Varezenem – Praticantes
  • Airyamna – Amigos dos arianos

Os antigos magos persas eram divididos em três níveis:

  • Herbods ou noviços
  • Mobeds ou Mestres
  • Destur Mobds – Homens perfeitos, sendo idênticos com os hierofantes de mistérios praticados na Grécia e no Egito (veja hermetismo).

Bíblia traduz os magos como homens sábios. O termo também tornou-se familiar com os magos que visitaram o menino Jesus no Evangelho de Mateus, capítulo II.

Visão atual

 Nos dias de hoje a magia foi revivida em seu aspecto ritualístico, principalmente pela Ordem Hermética do Amanhecer Dourado ("Hermetic Order of the Golden Dawn"), na Inglaterra ao final doséculo XIX.