NADA YOGA: YOGA + MÚSICA

NADA YOGA: YOGA + MÚSICA

NADA YOGA: YOGA + MÚSICA

Descubra o quão poderosa pode ser a união entre os asanas e a música: a seguir, o sitarista Krucis explica como funciona o Nada Yoga, a vertente yogue que utiliza o som como ferramenta para atingir o equilíbrio

 

Texto • Krucis
 

Conhecida por suas melodias exóticas e envolventes, a música indiana está intimamente ligada à filosofia e à religião. No país do yoga, o som é classificado em dois tipos: a vibração do etéreo e a vibração do ar. O primeiro corresponde ao som que os homens não podem ouvir, é o som não tocado e sagrado que deleita dos deuses. O segundo é a matéria prima das canções feitas pelo homem, ou seja, o som tocado.

Em sânscrito, a palavra “nada” significa som, vibração. A palavra “yoga” significa união. Quando praticamos o Nada Yoga, ou Yoga do Som, nos unimos às vibrações da música. Essa prática nos coloca em estado de esvaziamento, levando a um contato direto com os níveis mais profundos do nosso ser.

Em uma sessão de Nada Yoga, os asanas correspondem ao som que não é produzido, manifestando-se em nosso corpo, enquanto a música é o som produzido, que atua sobre nós através de sua vibração, com poderosos efeitos relaxantes e curativos. Assim, aprendemos que a saúde é uma condição de ritmo e postura perfeitos.

Com a prática dos asanas e a música como mediadora, nos tornamos capazes de experimentar o sagrado, o delicioso êxtase da quietude interna e externa. Assim, entramos em contato com nosso estado de atenção, ou seja, com o nosso equilíbrio, a nossa normalidade. Isso é “Nada Brahma”, que, em sânscrito, significa “o Som é Deus”.
 

“Tudo o que o mundo precisa é de Deus. Tudo o que verdadeiramente necessitamos alcançar, tudo o que precisamos ganhar a fim de abençoar nossas vidas, através da música, da harmonia, do amor e da é Deus. Este é o tema central de tudo o que é bom.”

Fonte: Triada.com.br

Hazrad Inayat Khan, mestre sufi