SWAMI SIVANANDA, O DIFUSOR DO YOGA

SWAMI SIVANANDA, O DIFUSOR DO YOGA

SWAMI SIVANANDA, O DIFUSOR DO YOGA

Conheça a trajetória e o legado do mestre indiano que, acreditando no caráter universal da sabedoria indiana, dedicou grande parte da vida para torná-la acessível aos ocidentais

 

Texto • Carla Bruzzi

Swami Sivananda Saraswati (1887-1963) teria sido apenas um sábio e desenvolvido yogue se não tivesse dedicado grande parte da sua vida a uma tarefa que, à primeira vista, não parecia muito compensadora: divulgar a milenar sabedoria do yoga no Ocidente. Sempre seguindo o raja yoga, a vertente que enfatiza os aspectos espirituais e mentais na busca pela iluminação, Sivananda escreveu os primeiros textos em inglês sobre a filosofia, com os quais apresentou ao mundo uma nova e fascinante alternativa para cuidar do corpo, da mente e do espírito.

Sem deixar de preservar a tradição cultural, Swami Sivananda divulgou o yoga por diversos países e abriu o acesso a toda a riqueza da sabedoria que, até então, estava restrita somente aos indianos. “Ele enxergou o yoga para o futuro, para a mente do ocidental e suas necessidades. E tudo isso sem descaracterizar os ensinamentos da Índia”, explica Subramanya (Marcelo Neves), diretor do Centro Sivananda de Yoga Vedanta do Rio de Janeiro.

Além de quebrar tabus e conquistar seguidores em todo o mundo, Sivananda desenvolveu sua vocação espiritual, pregando o bem por onde passou, em uma existência totalmente dedicada ao próximo e repleta de mensagens e ensinamentos, distribuídos em seus mais de 250 livros. Uma de suas frases mais famosas resume bem sua opinião a respeito do caráter universal da sabedoria indiana: “Yoga é um sistema de educação integral, é a arte de viver bem. O yoga não pretende dar as costas à vida, porém torná-la mais saudável e espiritual. Yoga é para todos, seu caráter é universal”.

 

Amor ao próximo

Nascido em 1887, no sul da Índia, antes de dedicar-se ao yoga, Swami Sivananda formou-se médico, aos 35 anos. Para ele, exercer a medicina era uma maneira de direcionar sua vida a serviço da humanidade.

Acreditando no sacrifício como condição essencial para a evolução, peregrinou para a Malásia, onde trabalhou totalmente recluso e sem condições. Para ajudar o povo que tanto via sofrer, começou a escrever seus primeiros artigos, no Health Journal, nos quais denunciava a precariedade do sistema de saúde em que atuava.

A dedicação total à medicina convencional, no entanto, não durou muito. Após ler Jiva Brahma Aikya Vedanta Rahashyam, uma obra clássica da filosofia védica, inspirada no grande Mestre de Yoga Shankaracharya, Sivananda decidiu transformar-se, literalmente, em um médico da alma. Depois de retornar a seu país em 1924, instalou-se em Rishikesh, conhecida como a cidade dos sábios, e lá começou a estudar profundamente o yoga e seu poder para melhorar a vida das pessoas.

Em 1932, ainda em Rishikesh, fundou o Sivananda Ashran, uma espécie de spa espiritual, um lugar em que as pessoas podem buscar uma vida mais saudável e espiritualizada, de acordo com a filosofia yogue.   

 

Em pouco tempo, o estudioso transformou-se em um mestre peculiar. Com quase 1,85 metro de altura, rosto redondo como o de uma criança, ombros largos, olhar penetrante e voz vibrante, transmitia vitalidade e alegria por onde passava. Esse bom humor constante, aliado a um imenso poder de oratória e extrema sabedoria e humildade, logo o fizeram receber o título de swami, que significa “mestre em si mesmo”, em uma cerimônia às margens do Rio Ganges.

Seus ensinamentos não se concentravam apenas no âmbito da religião: estendiam-se à busca por saúde, riqueza, paz mental, harmonia e felicidade. Refletindo sobre a influência do yoga no cotidiano do homem, Sivananda sintetizou seus preceitos em cinco regras básicas, desenvolvendo, assim, o sivananda yoga, ou yoga da síntese, uma vertente que combina o embasamento teórico do raja com posturas físicas do hatha yoga.

Segundo o mestre, as cinco regras simples que escondem o segredo da saúde e da felicidade plenas são: realizar exercícios físicos apropriados (asanas), respirar corretamente (pranayamas), realizar técnicas de relaxamento adequadas (savasana), seguir uma dieta vegetariana especialmente voltada para o fim de se viver com saúde e, para terminar, praticar a meditação e o pensamento positivo (dhyana).

Tendo como base os princípios de amor ao próximo, sempre divulgados por seu mestre, o sivananda yoga ganhou o mundo, mas, por alguns, é considerado muito rígido para os padrões ocidentais, já que exige algumas obrigações e privações (como a dieta vegetariana e a necessidade de uma vida regrada). 
 

As 5 regras de ouro do Sivananda

Segundo o mestre, a saúde e a felicidade podem ser conseguidas seguindo essas cinco regras simples, que equilibram corpo, mente e espírito:

Exercícios adequados (asanas)

Respiração adequada (pranayanas)

Relaxamento adequado (savasanas)

Dieta adequada (vegetariana)

Meditação (dhyana)

 

 

Sementes de paz

Praticamente todos os ensinamentos de Swami Sivananda podem ser encontrados em suas centenas de livros, como Mantras: palavras de poderConcentração e meditação e A ciência do pranayama, a maioria deles publicados no Brasil pela Editora Pensamento.

Para dar mais um passo na disseminação do yoga, a seu pedido, seu discípulo Swami Vishnu Devananda (veja quadro) trouxe suas mensagens para o Ocidente, a partir de 1957, primeiro participando de missões de paz em lugares como Irlanda, Alemanha e Cuba e, depois, fundando mais de 80 ashrams espalhados nos mais diversos países. Para mestre e discípulo, a construção desses locais teve o mesmo valor que a plantação de pequenas sementes da filosofia yogue por todo o mundo.

No Brasil, Devananda fundou o Sivananda Yoga Vedanta Centre, uma organização sem fins lucrativos presente nos estados de Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo, que possui conexão direta com os demais centros mundiais.

Swami Sivananda faleceu em 1963, com 76 anos, e deixou como herança, além de seus ensinamentos, um lema que abarca dogmas de todas as religiões: “Servir, amar, doar, meditar e concretizar”. Seguindo esses conselhos, a verdadeira iluminação fica ao alcance de qualquer um.
 

 

O grande discípulo

 

Swami Vishnu Devananda (1927-1993) conheceu os ensinamentos de Swami Sivananda através de folhetos com instruções espirituais. Ainda bastante jovem, resolveu partir para Rishikesh, em busca daquele que viria a ser seu mestre.

Aos 20 anos, tornou-se monge e foi nomeado professor da Hatha Yoga Vedanta Forest Academy – destacou-se por dominar as técnicas mais avançadas do hatha yoga. Sua vocação, aliada aos dez anos de trabalho sob a direção de Sivananda, fizeram-lhe assumir a missão de expandir os antigos ensinamentos do yoga por todo o Ocidente.

Viajando pelo mundo em missões de paz, estabeleceu, no fim dos anos 50, o primeiro Sivananda Yoga Centre, em Montreal, Canadá. Depois de obter sucesso e reconhecimento, inaugurou ainda dezenas de outros centros, espalhados por todo o mundo.

A trajetória de um mestre

1887 • Nasce no dia 8 de setembro, em Tamil Nadu, sul da Índia.
 

1922 • Forma-se em medicina, com o objetivo de servir ao próximo.
 

1924 • Retorna à Ìndia, estabelece-se em Rishikesh, onde decide se tornar um médico da alma e recebe o título de swami.
 

1925-1931• Dedica-se, quase que integralmente, à meditação e ao estudo da filosofia yogue.
 

1932 • Funda o Sivananda Ashram, em Rishikesh.
 

1957 • Instrui seu discípulo Swami Vishnu Devananda a divulgar o yoga no Ocidente, fundando filiais de seu primeiro ashram por todo o mundo.
 

1963 • Morre em Rishikesh.

 

 

 

Fonte: Triada.com.br